sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Será que é possível recuperar uma vida? Uma breve reflexão social

Algo que ainda me frustra em Curitiba é ver a quantidade de moradores de rua existentes em cidades grandes. É realmente difícil comer, dormir aquecido e tranquilo, sem imaginar tudo pelo que essas pessoas passam. É algo que incomoda, e tenho certeza que não somente a mim.



Mas estariam as pessoas dispostas a ir além e a ajudar se houvesse uma forma efetiva? E que forma seria essa?

Durante a semana missionária pude acompanhar um projeto existente na Paróquia Bom Jesus, lá no centro da cidade. Não me lembro exatamente, mas se minha memoria não me engana é isso: de segunda a sexta-feira, eles servem um pequeno café para essas pessoas pobres: pão e chá. A unica exigencia é que os (não)moradores tenham um cadastro na paróquia, a qual também conta com uma assistente social.

Não sei se o projeto vai além, mas mesmo que vá, temos muito o que ajudar. Mas me pergunto, será que você, que está lendo isso, também quer (de alguma forma) ajudar? E indo além ainda, será que eles querem ser ajudados? Por que essas pessoas estão na rua? Por que não saem dela? Será que eles querem? Afinal, sabemos que a dependencia química muitas vezes é um problema a mais para eles. E não só isso; será que eles crêm e têm esperança neles mesmos?

Foto de um projeto do JUMAS nesse ano 

Existem muitas perguntas sem respostas ao mesmo tempo em que se existe muito a falar sobre isso. Minha vontade era ter uma conversa com a assistente daquela paróquia, e também de uma forma segura (sim, pois muitas vezes temos medo) procurar contato com aqueles que não têm mais perspectiva em suas vidas. Buscar respostas para essas e mais perguntas. E sem esquecer da principal: qual um meio efetivo de eu ajudar? Porque somos jovens, e queremos ir além. Não basta um café da tarde, queremos transformar vidas, ser transformados e viver o amor de Deus, que nos é tão bom, em forma de comunidade.

Com tantos grupos de jovens pelas igrejas, considerando que eles tenham interesse em ajudar. Considerando que também existam pessoas que possam se deixar ser ajudadas. Será que é possível recuperar uma vida e reintegrá-la com dignidade na sociedade? — com amigos, emprego, moradia, e quem sabé até fé em Deus?

Pelo menos entre meus amigos vejo muita capacidade: muitos estão formados e podem por seus dons a serviço de Deus. Outros têm um grande entusiasmo, um sorriso no rosto e um olhar que simplesmente refletem amor. Outros ainda têm conhecimento de idiomas, informática, e acesso a muita informação. Em que estamos usando tudo isso?

Tudo isso que escrevi e mais um pouco, que ainda está na minha cabeça ou que já se foi, me levam a pensar se seria possível irmos além. Não me importo com o tempo, pois o tempo é dom de Deus e só ele tem poder sobre. Mas será que temos fé suficiente para fazer tudo acontecer?

Não sei, muitas inquietações. Mas com certeza, seria lindo encontrar um lugar que uma pessoa que mora na rua pudesse tomar banho. Que pudessemos doar/comprar roupas simples, mas boas, pra ela. Que pudéssemos financiar algum curso profissional, ou mesmo capacitá-la com o que temos e nossas formações. Que pudessemos fazer um currículo e encontrar emprego para ela, e até mesmo uma simples moradia para retirá-la da rua. Que pudessemos incentivá-la e ajudá-la a recuperar sua dignidade e a viver em melhores condições.

Mas, se você leu até aqui, me diga: qual é a sua experiência sobre o assunto? Como você se sente em relação?

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Visita à uma aldeia indígena

Ultima semana de facul. Depois de sexta> férias. Se bem que agora já  não há muito o que fazer mesmo. O que tinha que ser feito foi, o que não fiz, não fiz. Assunto pra postagem em outro lugar.

Queria compartilhar aqui um pouco do passeio de domingo. Visitamos uma aldeia indígena aqui da região metropolitana de Curitiba. Foi a aldeia Araçá-i, que está estabelecida em uma reserva em Piraquara, PR. 

Turma do Couchsurfing de Curitiba

sábado, 11 de maio de 2013

Short Update

Uau. Mais de um ano e meio desde a última postagem. Claro que muita coisa mudou. De qualquer forma, estou pensando em continuar o blog. Vejamos como vai as coisas na facul e na vida! Auf wiedersen!

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Competição Brasileira de Robótica 2011

Semana passada estive em São João del Rei-MG, na IX Competição Brasileira de Robótica, que aconteceu junto com a Olimpíada Brasileira de Robótica e a Mostra Nacional de Robótica.

Entrada CBR 2011

Como integrante da equipe NIPAR DANCE, concorremos ao título na categoria Robocup Dance Jr. Montamos duas robôs que dançavam Dança do Ventre e uma integrante da equipe, a Alessandra, dançou junto com elas. Ficou uma coisa bem bacana, mas infelizmente não o suficiente para conseguirmos o primeiro lugar. Ficamos em segundo. Segue abaixo o vídeo da nossa apresentação na final.

A equipe que ficou em primeiro lugar era de Recife e trouxeram um forró do Luiz Gonzaga. Uma bem brasileira e um pessoal bem competente, querendo mesmo ganhar. Vídeo abaixo.

Além da categoria da Dança, nós do Ninho de Pardais da UTFPR-CP também estávamos competindo na categoria SEK com a equipe NIPAR ROBOTICS. Equipe esta que alcançou bons resultados também, ficamos com o quarto lugar brasileiro.

Tinha muita coisa legal lá na competição e a cidade é bem bonita também, tem igreja pra tudo quanto é lado.

DSC04011DSC03816
DSC03861DSC03812DSC03866DSC03868DSC03881DSC03915DSC03982

quinta-feira, 9 de junho de 2011

“Doorbell is calling” – que tal uma campainha que liga no seu celular?

Esta foi a ideia do garoto britânico Laurence Rook, de 13 anos. Com essa idade, ele já recebeu vinte mil pedidos pelo seu produto e estima que vai ganhar o equivalente a R$650.000,00.

A ideia é excelente, mas com o absurdo que é a conta de celular no Brasil, seria impossível atender as chamadas.

A reportagem completa é da BBC:

http://noticias.uol.com.br/bbc/2011/06/09/britanico-de-13-anos-inventa-campainha-que-liga-para-celular-e-ganha-fortuna.jhtm

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Um bom vídeo para quem gosta ou está aprendendo inglês

E ae pessoal! Estou postando aqui um vídeo antigo (de 2007) muito interessante no qual o Jô soares entrevista um cara que trabalha com tradução simultânea. Na entrevista ele deu algumas dicas sobre erros comuns cometidos por quem está aprendendo inglês e contou algumas situações engraçadas que passou na profissão. O vídeo tem 5 partes e estas seguem abaixo.

Parte 1

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Robótica Educacional e Matemática - Minha Iniciação Científica Júnior

No final do ano passado, comecei minha Iniciação Científica aqui na Universidade. Entrei sem imaginar que aprenderia bastante coisa, como ainda se comprova hoje.

O projeto que pertenço, é denominado NInho de PARdais (NIPAR) , e tem por objetivo maior estimular novas carreiras nas áreas de Ciência e Tecnologia.

resgatista

Mas na prática mesmo, o NIPAR é um centro de experimentação robótica que está dando seus primeiros passos e tem recebido muito investimento e reconhecimento pela comunidade da UTFPR.